Blog acadêmico da disciplina Teoria e Introdução a Publicidade e Propaganda do curso de Comunicação Social da Universidade de Uberaba

09:40 Comment1 Comments

Existem várias técnicas que são utilizadas para criar mensagens que sejam persuasivas. Algum tempo tem-se dedicado para analisar os meios pelos quais as mensagens de propaganda são transmitidas, e este trabalho é importante.
Identificar estas mensagens de propaganda é um pré-requisito necessário para estudar os métodos utilizados para divulgação destas mensagens. Por isso é essencial ter algum conhecimento das seguintes técnicas de geração de propaganda:

1) Repetição Nauseante - Uma idéia repetida suficientemente se torna verdade. Esta técnica funciona melhor quando o acesso a mídia é controlado pelo propagandista. Ex: repetir a propaganda incansávelmente no rádio, ou TV (jingle criado para novo telefone da Dujato: 1019, 1910...)

2) Apelo à autoridade - É a citação, ou utilização da imagem de uma pessoa/personalidade proeminente para apoiar um posicionamento, idéia, argumento ou alguma ação em desenvolvimento. Ex: campanhas ou peças que usam uma personalidade para agregar valor ao produto, e credibilidade à mensagem. Ex: comercial do Instituto Boa Fé, com Giani; campanhas de combate ao Câncer de Mama; campanhas de moda, etc.
3) Efeito dominó e/ou Vitória inevitável - Tenta convencer a audiência a colaborar com uma ação "com a qual todos estão colaborando", "junte-se a nós". Essa técnica reforça o desejo natural das pessoas de estar no lado vitorioso e visa a convencer a audiência que um programa é a expressão de um movimento de massa irresistível e que é de seu interesse se juntar a ele. A "vitória inevitável" incita aqueles que ainda não aderiram a um projeto a fazê-lo, pois a vitória é certa. Os que já aderiram se sentem confortados com a idéia de que tomaram a decisão correta e apropriada. Ex: campanha dos “Geloucos” (bonecos que brilhavam no escuro); que dizem “você PRECISA deste produto”, “todo mundo já comprou um Ford novo, você não pode ficar de fora”).
4) Estereotipificação ou Rotulagem - Essa técnica busca provocar a rejeição em uma audiência rotulando o objeto da campanha de propaganda (o conceito da camapanha, a idéia central) como algo que o público-alvo teme, desgosta, tem aversão ou considera indesejável.
5) Homem comum - O "homem do povo" ou "homem comum" é uma tentativa de convencer a audiência de que as posições do propagandista (a campanha em sí, a mensagem, o conceito) refletem o senso comum das pessoas (é o que todo mundo pensa, é o que todo mundo quer). É utilizada para obter a confiança do público comunicando-se da maneira comum e no estilo da audiência. Propagandistas usam a linguagem e modos comuns (e até as roupas, quando em comunicações audiovisuais presenciais) numa busca de identificar seus pontos de vista com aqueles da "pessoa média". Ex: campanhas que, ao invés do galã ou da modelo, trabalha-se com alguém que represente melhor o público, que causem uma identificação; uma maneira de criar uma imagem mais próxima da realidade do consumidor final.
6) Slogan - Um slogan é uma frase curta e impactante que pode incluir rotulação e estereotipação. Se slogans podem ser criados a respeito de determinada idéia, devem sê-lo pois bons slogans são idéias auto-perpetuáveis. Ex: Se é Bayer, é bom! / Mc Donald's – Amo muito tudo isso / etc.
7) Termos de Efeito - São palavras de intenso apelo emocional tão intimamente associadas a conceitos e crenças muito valorizados que convencem sem a necessidade de informação ou razões que as apoiem. Elas apelam para emoções como o amor à pátria, lar, desejo de paz, liberdade, glória, honra, etc. Solicitam o apoio sem o exame da razão. Embora as palavras e frases sejam vagas e sugiram coisas diferentes para pessoas diferentes, sua conotação é sempre favorável. Ex: campanhas que exploram expressões fortes - “Nós podemos!”; “Você é tudo!”, “Viver sem fronteiras!”. Obs: às vezes, os Termos de Efeito utilizados podem confundir-se com o próprio slogan da marca, ou produto.
8) Testemunhal - São citações, dentro ou fora de contexto, efetuadas especialmente para apoiar ou rejeitar uma idéia, ação, programa ou personalidade. Explora-se a reputação ou papel (especialista, figura pública respeitada, etc.) daquele que é citado. O testemunho dá uma sanção oficial de uma pessoa ou autoridade respeitada à mensagem de propaganda. Isso é feito num esforço de causar no público-alvo uma identificação com a autoridade ou para que aceite a opinião da autoridade como sua própria. Ex: a maioria de propagandas (impressas), de produtos para cableo, pele, trazerm artistas que acham a idéia baca.

Métodos para transmitir mensagens publicitárias
Métodos comuns para transmitir mensagens de propaganda incluem noticiários, comunicações oficiais, revistas, comerciais, livros, folhetos, filmes de propaganda, rádio, televisão e pôsteres, que relacionem o produto/serviço oferecido quanto as suas características e benefícios. No caso da divulgação de uma idéia ou conceito o meio utilizado deve corresponder ao público-alvo da campanha e acompanhado da linha de pensamento do seu criador, afim de instigar no público o interesse e a aderência à idéia/conceito.

09:28 Comment0 Comments

A História da Propaganda Brasileira surge em meados de 1800.
Desde então, vem passando por grandes mudanças, sempre acompanhando as necessidades mercadológicas.

1500 - Desde a carta de Pero Vaz de Caminha à D. Manuel, o Brasil exercita o marketing a fim de escapar do destino que nos fora reservado por Cabral: ser uma colônia. Dos nossos índios que também já agiam nesse sentido, pintando papagaios para vendê-los como araras e assim “lesavam” os consumidores europeus, até os camelôs de hoje em dia, “vale tudo” (desde que se tenha ética e eficiência) quando se trata de vender uma idéia ou produto.

No Brasil, a propaganda está no sangue!
Mascates, ambulantes, tropeiros foram os primeiros vendedores, muito antes das vendas por telefone, catálogos ou Internet.
E assim a história seguiu-se até a década de 50. Através de transportes mais modernos, bolsas, tecidos importados, coisas da China e da Ilha da Madeira eram levadas aos lares brasileiros, até as donas-de-casa (as maiores consumidoras do país).
No Brasil colonial a propaganda de boca mostrou ser tão eficaz quanto os panfletos colados nos postes, ou portas.

Tiradentes – a primeira campanha política do Brasil!

1808 – vinda de D. João VI para o Brasil e a criação da Imprensa Régia. A colônia civiliza-se. Enfim, o jornal! Surge a “Gazeta do Rio” e depois dela os anúncios.Os primeiros anunciantes divulgavam seus interesses em vender ou comprar terras, imóveis e escravos.
1819 – entra em cena o trio poderoso: Jornal, classificados, agência de propaganda. Nessa época, os anúncios eram uma espécie de classificados de tamanho maior. E os grandes anunciantes eram: remédios, tonificantes e elixires. Era preciso “vender” saúde nos tempos das pragas, moléstias e pestes que assolavam as sociedades.

1821 – Surge o primeiro jornal de anúncios – o “Diário do Rio de Janeiro”, onde os anúncios apresentavam textos longos e poucas ilustrações. Tudo muito formal (palavras, expressões) e pouco comercial.
Início do Século XX
No início do século, o Rádio revoluciona a vida brasileira. O rádio trouxe os spots e principalmente - os jingles! Som, sonho e imaginação para os brasileiros.

Foto: Cantora Virgínia Lane - Fonte: GoogleEssa época data do início dos anos 50, época da Rádio Nacional, dos programas de auditório.
Nos anos dourados, o sucesso eram as vedetes, como Virgínia Lane. Época em que as estrelas do cinema já usavam Lux, e a IAS da Sydney Ross era a maior agência do País. Nessa época, a propaganda era feita em jornais, revistas e nos bondes.
Obs: A revista era uma mídia importante na época (O Cruzeiro chegou a vender 700.000 exemplares).
Período de Guerra (de 1941 a 1945) - A II Guerra acabou com a festa da propaganda, direcionando as atenções para o momento, diminuindo o interesse e poder de consumo. De 1941 a 1945 foram anos de guerra também para a propaganda. Toda produção, das empresas e indústrias tinha fins bélicos, portanto, os produtos e as mensagens carregavam os apelos ao consumidor com essa temática.
A guerra influenciava muito, com imagens e textos ligados ao tema.
Ex: “Piralgina destrói qualquer dor”.
(Piralgina era um tipo de medicamento; analgésico)
Nessa época mudanças, evoluções, novos gêneros de se fazer propaganda: spots, jingles, slogans, promoções e o crescimento do crediário, tudo para atrair a atenção e agradar os consumidores.

1950 - Chega a TV!
03 de Abril de 1950 no Brasil, marca a chegada da TV – a Rede de Televisão Tupi (uma obra do pioneiro Assis Chateaubriant), o que significa mais uma revolução na vida brasileira. Com a chegada da TV inicia-se as discussões sobre estratégias de marketing (propaganda, promoções, pesquisa de mercado, etc), para atingir as metas de vendas dos fabricantes. Foi uma virada para as Agências e todo o mercado publicitário. Quando a procura é maior que a oferta, tudo se vende. Quando há o processo inverso (a demanda cai, ou cria-se a concorrência) é necessário criar subterfúgios, argumentos e valores que atinjam o mercado e os consumidores potenciais. Daí a idéia de marketing.
Os primeiros anunciantes da TV foram: a Sul América Seguros (seguradora), Antártica (bebidas), Moinho Santista (alimentos) e empresas Pignatari (Prata Wolf).


Década de 60
De 1950 a 1960 começamos uma nova era eletrônica. Era em que importávamos filmes em latas, as agências McCann Erikson e a J.W Thompson trazem o Know how, criando, redigindo e produzindo programas. Americanizamos nossa propaganda. Assimilamos o formato americano de trabalhar - dentro das agências, em duplas de Criação.
Era em que as demonstradoras – garotas propagandas e os apresentadores, ganharam seu espaço. Época dos comerciais ao vivo! O sucesso durou pouco para eles, pois era tudo muito mecânico – enquanto falavam plataformas de texto, iam alisando carinhosamente o produto, sem lado criativo. Não mostravam razão de compra. Fora os imprevistos de uma gravação ao vivo, que comprometiam em muito a imagem do produto.

1951 – Fundou-se a primeira Escola Superior de Propaganda – em São Paulo, devido a necessidade de se formar profissionais da área (afinal, fora do Brasil a propaganda já era profissionalizada).
Com a popularização dos eletrodomésticos (GE, Walita, etc), não existiam profissionais suficientes para dar conta do trabalho. Os bons de criação eram poucos, então trabalhavam por horas além do horário. Muitas vezes, as agências usavam o mesmo redator, ou apresentavam layouts do mesmo artista para vários produtos, fora o mesmo publicitário que fazia a campanha política de vários candidatos.
Devido a Escola Superior de Propaganda ter surgido em SP, e também ao fato do crescimento das indústrias automobilísticas no País, ocorreu uma migração dos profissionais da propaganda – que em sua maioria concentravam-se no Rio de Janeiro, para SP.

1956 – Um grupo de São Paulo lança a Revista da Propaganda, que apresentava assuntos pertinentes à área.

Com tanto crescimento ficava difícil saber quais propagandas eram boas. Uns anúncios eram bons, outros nem tanto, mas eram maçantes e comuns em sua maioria. Até a Kolynos lançar um anúncio, cheio de conceito para época: “Ah!... gente dinâmica pede Kolynos”. A marca quebrou paradigmas, saiu do comum.


De 1960 a 1970 – Foram muitos acontecimentos importantes: agências norte-americanas ditaram as normas de criação (adoção das duplas de criação nas agências); com a inauguração de Brasília, o mercado publicitário acreditou em uma descentralização e possibilidade de expansão nas regiões. Não foi o que aconteceu, e que levou o mercado a uma série de fusões para conseguir sobreviver. Surgem inúmeras pequenas agências e a profissão ganha a universidade.

A propaganda realmente começou séria no país apenas quando se iniciou a fabricação de automóveis aqui, antes não havia produções (tudo ainda muito amador). Era inexistente o conceito. Com os carros veio o dinheiro, e consecutivamente a atração dos melhores profissionais para o país.

1980 – Mudanças sociais atingem a propaganda. Época da emancipação feminina, pós movimento hippie; mulheres no mercado de trabalho e com poder aquisitivo maior e independente. Tudo isso atraiu a atenção da propaganda, tanto para enxerga-las como consumidoras, como profissionais mais sensíveis e com melhor percepção para sentir as oportunidades no mercado.

1990 – Um novo desafio: a Globalização. A publicidade na Web, a internacionalização dos conceitos, a diversificação dos desejos, a comunicação universal. Novas mídias, novos recursos, tecnologia hi tech para conteúdos vazios. Como criar desejos num mercado saturado de ofertas.Época em que a propaganda vê-se cada vez mais direcionada a desenvolver seu lado estratégico, tendo a visão do todo e se aventurando por áreas como a administração e o marketing.

06:30 Comment0 Comments

O que é Publicidade?
expressar-se
divulgar
apresentar algo
induzir
vender
criar
tornar algo público


Processo de Comunicação
oral (fala, som)
corporal
imagem (desenho, símbolo)
escrita


EU(emissor) ----------> MENSAGEM(publicidade/meio) -----------> A QUE? / A QUEM?(receptor)

Comunicação NÃO é um fenômeno ISOLADO. Há a influência do contexto (social, político, econômico, ecológico, tecnológico, etc...) na comunicação.

Significado da comunicação segundo Aristóteles: "Comunicação é igual a todos os meios disponíveis de PERSUASÃO."

Os 3 principais objetivos da comunicação:
PERSUADIR
DIVERTIR
INFORMAR



CONCEITOS

PROPAGANDA:
atividades que tendem a influenciar o indivíduo com objetivo religioso, político, cívico. Propagação de idéias e crenças, mas sem necessariamente uma finalidade commercial.

propagare
PROPAGANDA => IDÉIAS
(divulgação)

PUBLICIDADE: deriva do latim “publicus”. Decorre do conceito de propaganda. Tem como particularidade o fato de ser PERSUASIVA, com o objetivo bem determinado; COMERCIALIZAR, “VENDER”. É a arte de despertar no público desejo de compra, levando-o a ação.

publicus
PUBLICIDADE => COMÉRCIO
(venda)


PROPAGANDA INSTITUCIONAL: propaganda sobre a instituição, empresa sem a vender nada.
MASCATES: considerados os primeiros publicitários.

16:47 Comment0 Comments


Hey moçada!!


A quantas andam os trabalhos da nossa primeira atividade, hein? Espero que estejam "arrebentando".

Olha só, estão espalhados pela cidade alguns outdoors, muito bacanas por sinal, que fazem alusão a ícones, elementos e hábitos da década de 50! Confiram! Tá mto interessante. E tem um site tb: www.oqueeisso.com.br. Muito jóia galera!!


A este tipo de campanha damos o nome de "TEASER". São campanhas que contém mensagens não totalmente declaradas, a fim de criar expectativa, gerar curiosidade nos indivíduos. O visual é show!

Dêm uma olhada.

Quem sabe, no trabalho de vocês, não achem algo parecido?! Algo da década que tenha sido trabalhado dessa maneira!


E vamos lá! Vamos fazer nossos trabalhos arrebentarem! Vamos bombar nosso blog!!

Abraços,

Fabi

07:46 Comment2 Comments

Hey turma!! Vamos todos fazer parte deste espaço. Ele foi pensado para permitir que todos alunos interajam, independente de disciplina ou periodo. Vamos a aproveitar!!!
Para o alto e avante!
Bjos,
Profª Fabiana Oliva